Elsa,  FIRE

A classe média-alta paulistana

Estava falando com a Muquirana que eu estava sem inspiração para escrever no blog. Mas nada como a classe média-alta paulistana para voltar a me inspirar a escrever.

Hoje recebi essa reportagem em um grupo de amigos. E as reações foram “os números fazem sentido” e “putz, isso sem considerar a parcela do carro e do apê”. Eu tive que me conter para não responder que eles estavam completamente loucos! Mas a verdade é que em poucas palavras, eu não conseguiria me explicar. O que eu precisava expor era muito extenso para um grupo de WhatsApp então vim desabafar aqui!

A pergunta da reportagem é: “Quanto custa viver bem em São Paulo?”. Vou trazer a resposta do cara e o que eu responderia.

“Caso já tenha quitado seu imóvel, é possível que gaste uns 2 mil reais de condomínio e mais 1 mil reais de IPTU.” Mais pra frente ele fala que está considerando os bairros Itaim-Bibi ou o Morumbi ou Pinheiros ou Higienópolis. O que é perfeito porque eu moro exatamente num bairro desses e gasto R$600 de condomínio e R$100 de IPTU por mês. A minha escolha foi morar num bairro bom, com segurança, com transporte público e relativamente central. Qual foi o grande esforço que eu fiz? Ter “apenas” 20m2 por pessoa na minha família. Não tenho mais banheiro do que moradores, não tenho armário gigantesco e já dei festa para 15 pessoas aqui.

“Para mandar seus dois filhos à escola particular, são mais 7 mil reais.” Já escrevi o que eu penso sobre educação pública. Pra mim quem faz a escola são os pais. Morando nesses bairros que ele citou as chances são ainda maiores de achar uma escola boa. Tá, eu não tenho filho então minha opinião sobre isso pode ser desconsiderada. Considerem então a opinião da musa mãe Yuka, que gasta R$0 por mês com escola para suas duas filhas. Mais pra frente no texto ele ainda fala “a mensalidade da escola particular aumentará acima dos 10%, como tem acontecido na última década.” Então mais uma boa notícia aqui: escola pública não tem reajuste!

“Caso você não seja um executivo, mas um empreendedor, pequeno empresário, autônomo ou profissional liberal, e pague diretamente o plano de saúde da família, para ter acesso aos melhores hospitais da cidade você pagará 7 mil reais.” Ah, mais uma coisa incrível da vida trágica, medrosa e acomodada da classe média-alta paulistana. Já fiz um post sobre o tema aqui, inclusive os comentários deram show! Minha conclusão com o tema é que a probabilidade de ter uma doença grave é baixa e é melhor ser FIRE com patrimônio alto que pode ser usado para pagar um bom médico (e talvez até uma internação num hospital). Agora se você prefere viver infeliz no seu emprego para garantir o plano de saúde que te dá acesso ao Einstein CASO tenha alguma doença grave no futuro – BE MY GUEST! Só lembre-se que muito provavelmente o seu plano Einstein vai te expulsar quando você tiver mais de 60 anos, que é exatamente quando você pode precisar de uma internação por problemas causados pelo stress da classe média-alta paulistana.

“Entre supermercado, padaria, quitanda, enfim, compras para a casa, você gastará uns 4 mil reais.” Mais uma conta incrível. Provavelmente o supermercado é o “St Marchê” que vende iogurte grego de R$20, a padaria é a “Le Pain Quotidien” que vende pão a R$20 e a quitanda aqui é o “Varanda” que vende 4 tomates por R$20. Se você comprar seu iogurte no Extra, assar o próprio pão e pesquisar cestas de produtos orgânicos que ainda entregam na sua casa vai gastar metade disso (se não for menos!). Aqui gastamos R$1 mil por mês para duas pessoas, para uma família de quatro pessoas vamos considerar R$2 mil por mês.

“Se tiver carro, e ele estiver quitado, é possível que, entre gasolina, impostos, seguros, estacionamentos e pedágios, você gaste mais 1 200 reais. Com multas, esse valor pode subir um tanto.” Se você mora nos bairros que ele citou, não precisa ter carro! Eu sei, eu moro num desses bairros. A vantagem desses bairros é que você pode fazer quase tudo a pé, com segurança, ou então ir de bike. Se precisar gastar, ok, pegue um ônibus ou metrô, que sempre tem nesses bairros. Mesmo que você e sua família peguem 1 ônibus por dia, vão gastar no máximo R$500 por mês. E a notícia boa é que andando de transporte público não corre o risco de tomar multa porque esqueceu que era o dia do rodízio! “Ah, mas não dá para andar de transporte público com crianças”. Mais uma vez, vou acionar nossa musa mãe Yuka.

“Com TV a cabo e acesso à internet, você gastará uns 700 reais.” Oh Deus, porque as pessoas insistem em pagar pela TV a cabo num mundo de Netflix? Porque você precisa de internet de 100 mega? A não ser que você trabalhe com uma necessidade absurda de envio de dados, 10 mega dá conta sossegado. Inclusive para assistir Netflix – por experiencia própria. Combo Internet 10 mega + Netflix = 100 reais.

“Com os quatro celulares, considerando o relacionamento sério que seus filhos têm com o pacote de dados 4G, você gastará mais 600 reais.” Ah, o plano super caro e inútil de celular! Para que você precisa de um pacote com voz e SMS se você basicamente só usa o WhatsApp para se comunicar com as pessoas? Se você fizer um plano Vivo Easy você tem 100GB por R$299,90 para usar quando quiser! E ainda ganha R$100 de volta para comprar 100 dias de diárias de voz e SMS, já que você quer tanto. Se os seus filhos tem “um relacionamento sério com o pacote de dados” e precisem de 25GB por mês, então eles estão viciados e eu recomendo fortemente que faça uma intervenção! Internet em excesso aumenta os níveis de stress, já está comprovado. Vou considerar filhos saudáveis que usam “só” metade disso.

“Entre luz, água e gás você gastará uns 500 reais.” Eu nem sabia que era possível ter uma conta de luz tão alta. Duas pessoas, em 40m2 gastam em média 80 reais por mês. E temos ar-condicionado, olha que luxo! Mas só usamos quando está uma temperatura do Nordeste aqui, o que são poucos dias no ano. Com mais duas crianças, e sem considerar economia de escala, podemos dobrar isso. Aqui o chuveiro é elétrico (mais um luxo na nossa conta de luz) e só usamos o gás para o fogão. E dá R$20 por mês.

“Se você for sócio de um clube, são mais 1 mil reais, entre mensalidade e algum esporte que seus filhos pratiquem ou atividade física que você se permita realizar.“ De novo, se você mora nesses bairros de luxo de São Paulo tem os melhores parques da cidade à disposição! Provavelmente algum parque que dá pra chegar a pé! E olha que mágico, eles contam com academia e aulas de graça. Pode pesquisar aí um aplicativo chamado “Mude!”. Toda aula chique de academia – Yoga, HIIT, Zumba – tem lá, e de graça.

“Não estou considerando que você tenha empregada doméstica. Mas se você chamar uma empresa de faxinas, uma vez por semana, pagará mais 1 mil reais por mês.” Se você entender de uma vez por todas que brasileiro confunde vaidade com higiene, então só vai precisar de faxina 1 vez por mês ou a cada 15 dias. Se morar num apartamento pequeno, a diária sai por R$150. Ou seja, R$300 por mês já está de bom tamanho.

“Deixa eu somar isso, antes que a gente perca a conta. Deu 26 000 reais.” Com as minhas correções, na verdade deu 3.930 reais. UAU! Isso considerando uma família de 4 pessoas, morando nos melhores bairros de São Paulo, e com diversos itens de luxo como celular, internet e academia!

“Cada um sabe de si, mas é possível que essa família hipotética não vá gastar menos de 10 mil reais por mês no cartão.” É uma família gastona mesmo! Morando em São Paulo você tem acesso a muito lazer gratuito. Eu e meu marido abusamos dessas possibilidades e vamos a shows, exposições e até cinema de graça. Nosso orçamento para lazer, compras e tomar um vinho de caixinha em casa é um luxo de R$200 por semana por pessoa! Considerando isso para uma família de quatro pessoas – e descontando o vinho das crianças – seria um gasto de R$3 mil por mês no cartão.

Vou dar uma brecha aqui para a nossa família frugal e fazer eles tirarem férias no exterior! Hoje eu costumo gastar cerca de 500 dólares numa passagem ida e volta para a Europa ou para EUA (é só pesquisar bem, e comprar com antecedência). Eu e meu marido sempre ficamos em hotéis ou AirBnB que custam em torno de 50 dólares a diária. Supondo gastos de 100 dólares por dia para alimentação, transporte e alguns passeios (a gente não faz questão de pagar 50 dólares para subir no Empire Estate), então uma viagem de 15 dias costuma sair por 3.250 dólares para o casal. Para uma família de 4 pessoas, ficam 6.500 dólares. Supondo um câmbio de hoje de 5,2 reais por dólar (a gente tem conta lá fora, então não pagamos câmbio turismo), vai dar 33.800 reais por ano para essa família fazer uma super viagem!

“Para essa família ter 40 mil reais líquidos, de forma a sustentar a sua vida entre as Marginais, considerando descontos como imposto de renda e carnê-leão, INSS e previdência privada, que mordem por volta de 30% dos rendimentos brutos, será preciso ganhar algo em torno de 57 mil reais por mês.” Aqui a coisa fica ainda mais interessante! A família classe média-alta do texto teria que ter uma renda líquida de 40 mil reais só para viver, sem conseguir juntar um tostão por mês! Já a nossa família super frugal gastaria por mês R$3.930 de custos fixos, R$3.000 no cartão e mais R$3.000 (arredondei) por mês num fundo viagem! Ou seja, ela gastaria em torno de R$10 mil reais por mês, apenas 25% da sua renda! Essa feliz família guardaria os R$30 mil restantes todo mês, investiria e em 8 anos juntaria a quantia de R$3 milhões, o que seria suficiente para que os pais se aposentassem usando a regra dos 4%. Uau! Que família mágica!

Eu já sei que vai ter gente chorando porque eu coloquei zero reais de gasto com saúde. E fiz de propósito! Pensa comigo, quem estará em melhor situação numa emergência médica? A família que tem R$3 milhões de patrimônio ou a família que tem ZERO de patrimônio e plano de saúde que pode não arcar com 100% de uma emergência médica? Aliás, essa família tem R$6 mil por mês de luxos, que podem muito bem ser direcionados para uma eventual despesa médica.

“Em São Paulo, com essa renda, você vive com conforto, não passa nenhuma necessidade, mas não experimenta a mesma sensação de tranquilidade financeira, ou de segurança em relação ao futuro – que em nosso país é o que diabos vai acontecer com você no próximo semestre.” Para finalizar, o texto coloca a classe média-alta como coitada! E essa é a parte mais chocante do texto todo. O jornalista trata todas essas despesas como obrigatórias, não como escolhas. Você não precisa da TV a cabo! Vc não precisa colocar seus filhos em escola particular! Sinceramente, você nem precisa de hospital particular (como diversos comentaram no nosso post sobre saúde).

Não é errado gastar R$10 mil por mês no cartão de crédito. Só é errado colocar isso como uma imposição para viver. Para corrigir a frase acima do jornalista mal informado, eu diria que a classe média-alta de São Paulo não passa necessidade, e pode experimentar uma sensação de tranquilidade financeira e segurança em relação ao futuro. Basta escolher viver assim!

34 Comentários

  • AA40

    Nossa SS, que desabafo. Eu sinceramente fico revoltado como pode haver pessoas que se submetem a isso acham normal? É de dar pena, de certa forma são coitados por serem tão idiotas ao ponto de buscarem isto como projeto de vida.
    Pior ainda é estes pseudo-jornalistas que tomam isto como verdade e parecem incentivar este comportamento.
    PS: Tive que compartilhar no nosso instagram chamando o povo para ler este seu ótimo post. Abcs

  • Mente Investidora

    Ótimo post.

    É impressionante como pessoas com bom poder aquisitivo e formação educacional insistem em viver a corrida dos ratos, não conseguindo ou querendo formar um senso crítico quanto à realidade que os circunda, se rendendo a impulsos consumistas para manter as aparências perante os demais integrantes de seu círculo social.

    Menos é mais. Sempre. Viva a sua vida e não a dos outros. Se sofrer algum tipo de rejeição por causa desta postura, não dê ouvidos. Ser diferente dos demais pode ser muito enriquecedor.

    Não encontrei outro post falando especificamente deste tema. Fica como sugestão. Não contratar plano de saúde. Reconheço que é um assunto espinhoso. Por mais que tenha uma condição de saúde favorável hoje, não sabemos o dia de amanhã. Então, por mais que o plano de saúde crie obstáculos à medida que o cliente fique mais velho, ainda penso que dá uma certa tranquilidade.

    Imagine se você vai parar em uma UTI por tempo indeterminado. Mesmo que você tenha muito caixa reservado para este tipo de ocorrência, é algo complicado.

    Você também não possui seguro de vida?

    Abraço.

    Mente Investidora
    http://www.menteinvestidora.org

    • sempresabado

      Olá! Já corrigi o link do post sobre saúde, vale a pena dar uma checada, os comentários tb foram ótimos.
      Eu ainda não tomei minha decisão sobre seguro de saúde. Hj tenho da empresa, mas não sei como farei na vida FIRE. Só quis reforçar o ponto de escolhas inteligentes mesmo! Abs

  • Vinicius

    Elsa, o link que deveria ser para o post sobre saúde pública na verdade está apontando para o “Sobre a autora” no blog da Yuka

  • Muquirana

    Incrível como muita gente com MUITO dinheiro não consegue sair da corrida dos ratos. Entendo quem quer manter saúde e educação privados como seus luxos, mas perder a tranquilidade pra manter um padrão de vida desses é difícil de entender pra quem entrou na jornada fire

  • LER E POUPAR

    Essa notícia faz o pessoal do “white people problems” corar de vergonha.

    “Ganho bem, sou bem-sucedido, mas é caro demais ser feliz no Brasil”

    É cada uma…

    É claro que você pode ganhar bem e viver de contracheque em contracheque, especialmente se for levado pelo consumo super estimulado dos dias atuais. Ganha 30, gasta 40. Ganha 40, gasta 50.

    A lição do artigo é mais ou menos a seguinte: “no Brasil até o 1% mais rico sofre e sofre muito. Tadinho desse povo… ”

    Não discordo de que todo mundo sofre. Uns mais outros menos. Ninguém anda com um medidor de dor por aí para saber onde dói mais. O que mais tem é rico pulando de prédio. Quem não tem problema na vida cria um só para chamar de seu.

    A questão é que o cidadão com renda alta ainda tem algum grau de esperança de poupar, investir e viver de renda. O pobre… fica só no sofrimento mesmo.

    Este artigo é a velha necessidade humana de culpar o outro, os outros ou o sistema pelas próprias cagadas e decisões equivocadas. Essencial é dormir, comer, beber água, ter uma roupa e um teto para não morrer de frio. Todo o resto não é essencial.

    O problema nosso é que vivemos transformando bens supérfluos em necessidades urgentes e inadiáveis. Aí vira essa presepada de chamar viagem para Disney/intercâmbio de essencial para formação cultural do ser humano.

    Excelente texto!

    Abraço

    • sempresabado

      Super interessante seu ponto de visto sobre a dor! Já li que a dor é inevitável mas o sofrimento é opcional. Se sua vida está “doendo” cabe a vc fazer escolhas que tornem ela menos sofrida! Abs

  • Viver Sem Pressa

    Voltaraaammmmm (vocês acharam que eu não percebi que o blog estava fora do ar, né? Estava com saudades de vocês.
    Elsa, ontem estava meio borocoxô, reflexo de quem está isolada em casa há mais de 120 dias. Mas preciso confessar, ler seu post e ver que me chamou de “musa mãe Yuka” não só alegrou meu dia, como dei uma gargalhada gostosa aqui em casa rsrsr. Obrigada pela consideração.

    A reportagem lembrou aquele áudio que vazou há um tempo de um procurador que chamou o próprio salário de R$24 mil de miserê, e que estava se matando para abaixar o gasto do cartão de crédito de R$20 mil para R$8 mil mensais para conseguir sobreviver, questionando como alguém consegue viver só com R$24 mil… é cada uma que aparece…

    Obs.: Eu tenho um post chamado: “A vida sem carro (e com 2 filhas)”, talvez sirva para o link do exemplo do carro. https://viversempressa.com/2017/11/26/da-para-ter-filhos-sem-ter-carro/

    Um beijão pra vocês!

    • sempresabado

      Oi Yuka!! Que bom que sentiu nossa falta!
      Adorei saber que ajudei a te deixar mais pra cima! E é pra se achar mesmo. Admiro muito as suas escolhas, e vc é sem dúvidas uma inspiração pra mim no campo da maternidade (se um dia eu animar, rs).
      Valeu pela dica do texto! Já refiz o link pra ficar ainda melhor!
      Beijos

  • ABM

    Que bom que voltaram com o blog!! O que me deixa impressionada nesse tipo de ponto de vista, a obrigatoriedade de se gastar muito para se viver bem, é o imediatismo. O risco de nao poder manter esse tipo de padrao no longo prazo eh tao alto. A gente esta submetido a tantos tipos de riscos. A perda de capacidade de trabalho, a perda da relevancia profissional etc. Vc contar que vai ter capacidade de obter esse nivel de renda, que a economia vai estar sempre favoravel a se obter altos salarios ou altos lucros eh surreal para mim.

    • sempresabado

      Perfeito ABM! Esse ponto é super relevante mesmo. Como a pessoa consegue dormir a noite sabendo que está com a vida financeira tão descontrolada né?

  • Aposente Cedo

    Rebateu um a um os “argumentos”!
    É o que a Muquirana comentou acima: a maioria da população, incluindo o autor do texto, está no piloto automático da corrida dos ratos.
    Não fazem por mal, pra influenciar os outros ou algo assim; simplesmente não conseguem enxergar o mundo fora da gaiola.
    Fico feliz que a comunidade FIRE esteja crescendo e disseminando outra perspectiva para todos aqueles que, mesmo que não desejem se aposentar precocemente, possam saber que há alternativas à felicidade que não seja gastar uma pilha de dinheiro.
    Abraço

    • sempresabado

      Concordo com vc, não acho que as pessoas fazem por mal. Acho que a maioria não sabe o que fazer com o dinheiro e tem muita gente com a filosofia de “vou guardar dinheiro pra que? Ninguém leva nada dessa vida!”. Abs!

      • Vagabundo

        O que acontece é que, diferentemente do pessoal aqui, a grande maioria da populacao nao tem nenhum objetivo ou planejamento financeiro. Nao tem porque poupar ou investir, então a idéia é gastar tudo que ganha. Sobrou uma graninha ? Bora trocar de celular, de carro, plano de internet, comer no Terraço Itália, etc…

        • sempresabado

          Sim, até porque somos bombardeados o dia todo por propagandas para consumir mais! E achamos que o consumo está relacionado com felicidade. Difícil quebrar isso!

  • Vagabundo

    Menina, vc botou o dedo na ferida e nao satisfeita enfiou nela uma chave de fenda. É uma vida realmente muito medrosa e acomodada, que quando percebi me chocou muito. Como o cara acordando da Matrix e vendo a realidade. Eu tinha um bom salario mas era o unico da casa. Enquanto isso via colegas cujos parceiros tambem tinham bons salarios, ou seja, a renda deles era o dobro da minha ! Mas porem… da-lhe carro importado, hotel fazenda, viagem pra Disney, restaurantes chiques, roupas de marca… “Nossa, nao da pra viver nessa cidade, é muito caro !!!” kkkk
    Entre os gastões do artigo e os mega-frugais como vc e a Yuka estou eu, um frugal bunda-mole kkkk. De forma geral concordo com seus argumentos. De bate pronto o de velocidade de internet achei meio fora. Porque se vc vai ver netflix enquanto a molecada vai jogar video game online eu nao sei se qualquer velocidade aguenta. Pra trabalhar de casa direito e fazer conferencia é melhor ter logo fibra optica. Sobre gastos com filhos a Yuka é a autoridade, eu até anotei alguns dos links pra ler depois kkk. Agora é o seguinte… se o seu gasto é X sendo frugal, nao pegue esse valor pra calcular quanto precisa pra aposentar. Pq se algo muda vc nao tem margem pra manobra. Use 1,5X ou 2X se puder.
    Tambem vou ler a reportagem original e talvez faça um post. Abs

    • sempresabado

      Você vai ficar chocado quando ler a reportagem inteira! Rs! O pior é terminar num tom de pobre coitados da classe média-alta!
      Abs!

  • Trabalhador Mercado Financeiro

    Concordo que toda a conta está muito inflacionada, mas discordo fortemente da parte da educação pública. Mais do que discordar, acho que quem pensa em se tornar independente financeiramente e, pra isso, sacrificar a educação dos filhos, tem que reavaliar com urgência se realmente quer ter filhos ou não.
    Não adianta falar que quem faz a educação é a própria pessoa, é só nos utilizarmos de números pra ver em qualquer ranking de escolas que as privadas levam larga vantagem.
    Novamente, vamos ter o mínimo de noção pessoal, ter 3 milhões investidos e mandar os filhos pra escola pública é o cúmulo da hipocrisia.

    • sempresabado

      A gente está tão acostumado a pagar pelas coisas que é normal esse tipo de resistência mesmo. Vale pesquisar mais sobre o assunto! Abs

      • Vagabundo

        Essa parte da educação andei pensando e também discordo. Educação publica de qualidade existe mas é exceção. Na hora de fazer o orçamento, se vc quer dar uma oportunidade pro seu filho, melhor considerar que vai ter que pagar. Se no fim nao precisar, melhor ainda.

        • sempresabado

          Acho ótima essa sua ótica Vagabundo! Avaliar as opções é sempre melhor do que tomar algo como certo. Abs!

      • Viver Sem Pressa

        Oi Elsa,
        Educação pública é sempre um tema polêmico rs.
        Concordo que é algo que deve ser avaliado com muito cuidado, mas o que mais vejo são pessoas criticando e julgando algo que nem conhece, algo que nunca viu, nem sabe como funciona, e também não faz questão de saber. Só acho que quem acha que só a escola particular é um lugar seguro, vive no mundo da ilusão.
        Há pessoas que não enxergam a educação como algo meramente financeiro. Há pessoas que acreditam na escola pública, querem que seus filhos convivam com pessoas diferentes, de classes sociais diferentes, com pessoas que tenham poder econômico variado, de raças diferentes (por exemplo na creche particular que fui visitar, não havia nenhuma criança negra… na creche pública, tinha de tudo, negros, brancos, pardos, asiáticos, estrangeiros), que possam aprender sobre humildade e o respeito às diferenças. É óbvio que os pais precisam participar, ser ativos na escola, não só para ter uma educação melhor para os seus próprios filhos, mas principalmente, para os pais que não têm essa condição. Mas quem quer fazer isso, não é mesmo? Ninguém quer ter esse trabalho. É mais fácil pagar.
        É difícil discutir sobre o lado bom e o lado ruim da escola pública com alguém que já parte da premissa que público é igual a lixo.

        • sempresabado

          Perfeito Yuka!

          Juro que pensei em apagar alguns comentários maldosos aqui porque achei que tentaram ofender pais como vc (já que eu sou apenas uma possível futura mãe). Mas você me deixou mais tranquila agora porque ficou claro que só tentaram, mas não conseguiram.
          Eu acho mesmo que a gente tá muito acostumado a pagar por tudo. E que se é pago então é melhor. Também não gosto de argumentos do tipo “é só olhar as estatísticas” porque são conceitos de média e a nossa vida é feita de particularidades.
          Beijo!

          • Viver Sem Pressa

            Hahaha, sim, mas fica tranquila, eu e meu marido temos a real consciência do que estamos fazendo e que estamos andando no caminho completamente oposto da maioria. Sei que o diferente ofende. Não é o caminho mais fácil (como disse, temos que ser pais presentes, apoiar a direção – às vezes até financeiramente falando), mas sei que não beneficia apenas as minhas filhas, e sim, a escola. Pagar sempre é o caminho mais fácil, com certeza, porque resolvemos o nosso problema. Mas quando a preocupação não é só com os nossos filhos, mas com os filhos dos outros, aí a causa é maior. É claro que existem escolas públicas péssimas, mas não podemos negar que há também escolas públicas boas (e pode reparar que geralmente a atuação dos pais é bem alta), e as que são mais ou menos que tem potencial de melhorar com o apoio dos pais. Bom, enfim, a discussão é longa, e como vê, não apenas financeira. Essa discussão lembrou um pouco quando eu quis trazer um parquinho infantil numa praça abandonada. Me chamaram de idiota, por eu estar fazendo um papel que era da subprefeitura. Bom, um deputado entrou na jogada e está me ajudando nesse processo. Não vejo problema de eu ser a idiota, desde que eu consiga uma praça para as minhas filhas brincarem. E isso, novamente, não trará benefício apenas para as minhas filhas, e sim para as crianças desse bairro.

  • Érika

    Eu acho que tem dois extremos aqui, o do jornalista e o seu. O jornalista, pra mim, está bastante exagerado mesmo, gastar isso tudo por mês nem se eu ganhasse 100 mil por mês. Por outro lado, jamais que os gastos de uma família que ganha 50 mil por mês serão só esses que você enumera. Quem, ganhando 50 mil por mês, coloca os filhos para estudar em colégio público, é um filho da puta pra mim. Só fala o q vc falou quem nunca pisou numa escola pública. Não que a particular seja a melhor de todas mas só a segurança que a escola particular proporciona, já se paga. Enfim, poderia tecer mais exemplos, como os gastos com saúde, que precisam sim ser contabilizados, mas estou com preguiça. Até!

  • Luís

    Noto que há um certo deslumbre de certas pessoas “desconstruídas” acerca da educação pública. Posso reclamar desse sistema com propriedade, afinal de contas, estudei nele a vida inteira e sofri (sofro) as consequências disso. A educação infantil e o Ensino Fundamental I são ótimos, mesmo simples, não devem muito para uma particular. Mas espere chegar o Ensino Fundamental II e o Ensino Médio. É uma sabotagem para seu filho, com tanto dinheiro na conta, deixa-lo matriculado numa pública convencional. Pense a longo prazo e pesquise índices como SAEB, IDEB e ENEM, as disparidades são altíssimas.

    Tem pública boa? Sim, ETECs, IFs, Colégios de Aplicação e Militares estão aí para provar, mas é uma exceção à regra, em uma pública comum conta-se nos dedos quem consegue ir para a faculdade, são muitas deficiências, estrutura péssima, professores pouco capacitados e desmotivados, alunos desinteressados e famílias que nem ligam para a educação dos filhos. O aluno tem dificuldades para aprendizagem? Infelizmente, o sistema público não tem espaço e estrutura para ele. “Ah, mas com força de vontade a pessoa aprende.”. É mesmo, se você quer ver seus filhos aprovados no vestibular um dia, prepare-se que a escola apenas funcionará como um cumprimento legal (é proibido deixar jovens sem estudar), porque eles terão que aprender o conteúdo todo por conta própria. A questão da segurança é a mais preocupante, filho sofreu bullying e papai vai reclamar com a direção. Isso surtirá efeito nenhum em uma pública típica de capital, uma minoria expressiva de alunos até com organizações criminosas está envolvido e funcionários, pais, convivem com ameaças. O conteúdo programático é todo tesourado, o ensino de Matemática, Química e Física não existe praticamente…eu passaria um ano citando os defeitos do sistema público de educação a partir do 6o ano. A única vantagem é mesmo só a questão da gratuidade, pois a situação é crítica e não deveria jamais ser romantizada. Você pode até dizer “ah, mas a particular também tem vários defeitos”. Tem! Mas eles são muuuuuuuuuuito mais fáceis e rápidos de serem contornados que em uma pública. Queria que a situação fosse diferente, mas temos que ter o pé no chão, é muito bonito soar vanguardista, mas as consequências de escolhas baseadas no puro idealismo são sempre ruins.

  • Iuri

    4k de supermercado ?
    kkkkkkkk
    Eu e minha esposa gastamos mensalmente por volta de 750 reais, e sei q dá pra reduzir esse valor pra 700 sem muitas dificuldades.

  • Fênix

    Conheci o blog hj, to achando excelente. Sobr o texto, concordo em grande parte, apenas faria um aressalva com relação à questão da saúde. Vejo que é importantíssimo ter um bom plano sim, pois mesmo que vc tenha milhões numa eventual emergência e necessidade de internação, vc terá grandes problemas:

    1) Hospitais não realizarão os melhores procedimentos em vc ou familiar pois vao ter receio de tomarem o calote (digo isso com conhecimento de quem trabalhou em hospitais e conhece como as coisas funcionam nos bastidores); Não importa o quanto vc diga a eles que poderá pagar por td….

    2) Uma internação prolongada em UTI poderá consumir todo seu patrimônio, todos os seus “millions”. Entao, se vc nao tiver “billions”, esqueça….

    3) Se vc ou familiar precisar de algo importado para o tratamento, o hospital lavara as maos e vc tera que correr atras, o que demandara muito mais tempo e consumira nao so seu $ como sua saude fisica e mental. E pode ser que vc ou seu familiar nao consiga esperar chegar o equipamento ou medicamento.
    Já se estiver com plano, o plano fara esse trabalho e ja conta com toda a expertise pra tratar dessas questoes.

    Enfim, plano de saude considero essencial buscar ter o melhor que se possa pagar que garanta internação UTI. Exames e consultas é perfumaria, isso se pode pagar no particular.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.