Muquirana,  Reflexões

ALGEMAS DE OURO

foto de cleanfax.com

Um dos meus sócios me surpreendeu essa semana com a pergunta: “Trabalho desde 1994, será que já posso me aposentar?“. Minha resposta foi instantânea: “Se você já juntou 25x seu gasto anual, sim”. Ele rapidamente pegou a calculadora, fez algumas contas, riu e falou: “Tchau, não venho mais amanhã!”.

Ele acabou voltando no dia seguinte, mas ficou com o tema na cabeça. Me perguntou da onde saiu o 25 e falei que era 1/4%, a famosa regra dos 4%. Rapidamente ele grunhiu que o juro real não seria mais 4% e que ele deveria fazer as contas com 50x o seu gasto anual. Após ele falar disso para outros conhecidos, todos foram unânimes em falar que 25x o gasto anual não era suficiente e que deveriam juntar mais dinheiro. TODOS já tinham bem mais que 25x seu gasto anual poupados..

Por que as pessoas muito ricas têm dificuldade em vislumbrar a vida sem o trabalho? E o pior, ainda acham que não são ricos???

Para mim a resposta está nas algemas de ouro que as pessoas colocam em si próprias. Elas se aprisionam em casas e apartamentos que custam milhões, com gastos de manutenção que custam dezenas de milhares de reais, dirigem carros que custaram centenas de milhares de reais e gastam outras dezenas de milhares de reais com coisas “necessárias” como empregadas, babás, casas de campo e viagens para o exterior. De fato deixar de trabalhar não é uma opção quando seu custo de vida beira 50 mil reais por mês, a não ser que você seja realmente muito rico.

Outro problema da turma das algemas de ouro é a comparação. Uma vez que você é rico, acaba frequentando o mesmo ambiente dos ultra ricos e se sente o “pobre” do lugar. Várias pesquisas mostram que o sentimento de felicidade é relativo. A maioria das pessoas precisa se sentir melhor do que os outros para ser feliz. Portanto se você só convive com pessoas mais ricas que você, é um exercício constante você não ficar frustrado com a vida.  

Tenho a sensação de que várias celebridades acabam ficando deprimidas e tendo problemas com drogas por viverem em um meio frívolo de ricos e famosos em que o valor de uma pessoa está na fama, nos seguidores ou na conta bancária.

Ando lendo muito sobre meditação e crescimento espiritual e absolutamente tudo que leio nesse tema fala para abandonarmos a felicidade relativa e partirmos para a absoluta. Devemos ser felizes e agradecidos pelo que somos e temos, ao invés de nos compararmos com os outros. Warren Buffett fala que devemos usar nosso “boletim intrínseco”. A nota que nos damos só deve depender do nosso julgamento sobre nós mesmo, e não do julgamento dos outros.

Usar um boletim intrínseco lhe livra das algemas de ouro, economiza dinheiro (veja o post da Elsa) e te faz rico. Alguns argumentam que é necessário ter um carro chique, roupas importadas e comer nos restaurantes da moda para parecer bem sucedido e atrair negócios. Eu não concordo. Vejam o exemplo de pessoas como Buffett, Gates, Jobs, Lemann, etc. Seus negócios prosperaram pela dedicação, honestidade e intelecto, não porque usavam ternos caros, e principalmente, essas pessoas nunca se prenderam com algemas de ouro e se obrigaram a trabalhar! A vantagem de ser preso por algemas de ouro é que a chave está nas suas mãos e só depende de você buscar a liberdade.

10 Comentários

  • sempresabado

    Vou te falar a mesma coisa que você me disse outro dia “quando você levantar e se aposentar vai ser um choque” rs

    Concordo super que hoje vivemos uma felicidade relativa. Não importa se você está feliz, o que mais importa é parecer feliz. As pessoas estão gastando dinheiro e energia para que os outros invejem ela. Não acho que inveja atrai coisa boa não! Mas estamos viciados nisso, é um problema mesmo!
    Temos que lutar todos os dias e se questionar se as nossas decisões são baseadas nas nossas vontades ou vontades impostas… é um exercício difícil né?
    Elsa

    • sempresabado

      Exercício muito difícil Elsa. Estamos nesse caminho de tentar parar de olhar pras escolhas dos outros e cuidar da nossa vida, mas tem dias que balançamos. Haja meditação e presença pra não sair do caminho.
      E sim, vai ser um choque mesmo quando eu levantar e me aposentar rsrsrs
      Bjs

  • VivoPoupando

    Cara, muito bom este post! Gostei bastante, você falou a verdade. Quero buscar essa felicidade absoluta, é muito difícil. Estou tentando, creio que estou no caminho certo por vários motivos.
    Legal encontrar teu blog, vou ler os post anteriores também. Parabéns, gostaria de ter mais amigos que pensassem assim. É difícil, mas enfim, ao menos na blogosfera tenho vários por aqui! Você será mais um…irei acompanhar. Obrigado. Abraço!

    • sempresabado

      Oi VP, bem-vindo ao nosso blog. Adoramos amigos novos!!
      Um livro que me ajuda nessa busca da felicidade relativa é O Poder do Agora do Eckarte Tolle. Se vc curtir leia o seguro Um Mundo Novo, esse sim fala muito de como nosso ego atrapalha a busca da felicidade absoluta.
      Um abraço!

  • Cowboy Investidor

    Olá, Muquirana.

    Parabéns pelo post.
    Se agente ficar com medo nunca sairemos do emprego. Sempre vamos querer juntar mais dinheiro.
    Quem busca muita segurança não vai ter muita liberdade. Os presos são os que tem mais segurança, mas tem pouca liberdade. Temos que buscar o equilíbrio.

    Abraços!

    • sempresabado

      Oi Cowboy, ótima analogia. Da muito medo quando chega a hora de abraçar a IF de fato, é aquela história da gaiola que fica aberta e o passarinho não tem contagense ir embora. Precisa ter um pouco de rebeldia pra abraçar esse estilo de vida único. Se Deus quiser chegamos lá! Abraço!

  • Rafael

    Era pra ter aproveitado taxas do tesouro a 4% longas. Pq onde encontrar ganho real a 4% agora se não no tesouro como era.?..

    • sempresabado

      Oi Rafael, há outros jeitos de ter rendimento real a 4%, aceitando mais risco, claro. Fundos imobiliários, ações, debêntures. Vale lembrar que a regra dos 4% surgiu nos EUA, onde os juros nem de perto são iguais aos nossos. Lá eles conseguem esse rendimento com um portfólio de ações e títulos. Abraço!

  • ABM

    Boa reflexão, Muquirana! Este final de semana escutei uma fala da Tara Brach: “Happy for No Reason”. Enfim bem alinhado com essa questão da felicidade absoluta. Acho que quando vc vai no piloto automático em relação a consumo, estilo de vida etc a tendência é sentir um pouco de insegurança na possibilidade de não poder fazer o que os outros fazem. Ter sua aceitação e afirmação social excessivamente baseadas em fatores extrínsecos, especialmente fatores materiais, pode ser uma fonte de ansiedade e insegurança

    • sempresabado

      Oi ABM! Queria escutar o podcast antes de te responder, mas como são 2 partes longas ainda vai demorar 🙂
      Como vc falou a sociedade coloca no consumo toda essa felicidade relativa e isso é uma bomba de gastos e momentos efêmeros de empolgação. Pra sair desse piloto automático defendo a “rebeldia social” pra garantir nossa sanidade e independência, não só financeira, mas de pensamento tb. Um abraço!

Deixe uma resposta para VivoPoupando Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.