Muquirana,  Reflexões,  Transporte

Balanço de ano novo: Três anos sem carro

city girl bike speed
Três anos de bike: 10.000 reais a mais, 53.000 calorias a menos    (Photo by Pexel)

 

Uma das resoluções de ano novo de 2015/2016 da Muquirana foi se livrar do carro e gastar menos recursos (tempo, energia e dinheiro) no trânsito. O balanço foi muito positivo. Além de me livrar do carro me livrei de vários preconceitos e deixei de ter uma fonte de stress e gastos!

Como era antes:

Mesmo tendo me mudado para um bairro mais próximo de onde trabalho, não moro tão perto a ponto de poder ir a pé. O trânsito entre 8h e 8h30 é irritante e agressivo e para evitá-lo saia de casa mais cedo (7h) e fazia academia antes do trabalho. As desvantagens eram passar pouco tempo com o Sr Muquirano de manhã (em 2016 ainda não havia baby Muq), ter que carregar um monte de roupa e pegar fila no chuveiro da academia. Além disso, tinha uma conta de 300 reais de garagem e mais 120 de gasolina por mês (isso em valores de 2016). Por último, qualquer programação social durante a semana era um tormento. Dormir tarde significava um sacrifício para acordar super cedo e ir para academia e evitar o trânsito, ou então um transito muito chato se fosse depois.

O processo de mudança:

Tinha muito medo de voltar de bike sozinha, principalmente no inverno quando escurece cedo, mas em 2016 um colega de trabalho se mudou para o prédio ao lado e comecei a ir com ele. Nesse meio do caminho ele deixou de ser meu vizinho, eu mudei de trabalho mas ganhei confiança e vou sozinha mesmo. Ao longo dos anos muita gente adotou a bike, as ciclofaixas ficaram super cheias e meu medo de assalto acabou. Foi difícil superar meu medo e hoje estou muito feliz de ter conseguido!

Os percalços no caminho:

  • Calor e suor: Os principais inimigos do ciclista de roupa social nos trópicos. Resolvido comprando o Rexona Clinical anti-transpirante e pedalando mais devagar! Muitos prédios têm vestiários e as pessoas se trocam ou até tomam uma ducha antes de começar a trabalhar.
  • Chuva: Contornável com uma jaqueta impermeável e calça preta com a barra dobrada. A maior motivação é que prefiro tomar chuva do que aguentar o trânsito do dia de chuva. O Sr Muquirano me deu para-lamas de presente que ajudaram muito.
  • Sapato: No começo ia de tênis e levava na mochila, hoje pedalo de sapato na maioria dos dias.
  • Barra da calça: contornável com essas fitas.
  • Gravidez: Pedalei até a semana 16 de gravidez e depois o médico proibiu. Comecei a ir pro trabalho de transporte público até ser pisoteada (!) grávida num mega tumulto que começou com uma briga na estação. Depois disso me deu um pânico muito grande voltar na estação e o Sr Muquirano me levou de carro ao trabalho por 4 meses. Foi muito difícil aguentar o trânsito nesse período.

As vantagens no caminho:

  • Stress: Nada de fechadas, buzinas ou trânsito. Sair no sol de manhã e sentir o vento no rosto são mais terapêuticos do que você imagina.
  • Gastos: No meu caso foram quase 450 reais de economia mensais. O carro é uma máquina que acumula gordura e consome dinheiro. A bicicleta é uma máquina que consome gordura e economiza dinheiro.
  • Tempo: posso acordar mais tarde se quiser (e o bebê deixar). Também posso acordar cedo, tomar café com calma com a família, fazer meditação, fazer esporte. Nada de fila para tomar banho na academia ou café da manhã na padaria.

De todas as mudanças positivas da bicicleta na minha vida o tempo que ganhei nas minhas manhãs é a melhor delas. Odiava a sensação de acordar, fazer tudo correndo e sair afobada para o trabalho. Tendo filhos então isso seria muito aflitivo. Já tenho pouco tempo com o mini Muq, se não pudesse ficar com ele por uma horinha antes do trabalho ficaria muito frustrada.

O balanço final:

Deixar o carro em casa em 2016 foi uma meta de ano novo que virou estilo de vida! A Muquirana economizou cerca de 10.000 reais desde então (descontando o período da gravidez e licença), queimou cerca de 53.000 calorias e ganhou muito tempo livre. Mudei de emprego, tive um filho e mantive a bicicleta mesmo assim. No fim do mês o baby Muq começa a escola e já instalei a cadeirinha para leva-lo de bicicleta. Por sorte a escola que escolhemos está em um trajeto feito todo na ciclovia. Não tenho planos de voltar a dirigir durante a semana tão cedo!

E você? Por que está usando o carro no seu trajeto diário?

23 Comentários

  • Marcelo M. Corghi - Vida Rica

    melhor parte: O carro é uma máquina que acumula gordura e consome dinheiro. A bicicleta é uma máquina que consome gordura e economiza dinheiro.

    eu ainda tenho dois carros em casa, mas por necessidade. eu e a minha esposa trabalhamos fora da cidade, e o transporte coletivo não funciona bem nesses trajetos. Mas estou procurando uma alternativa para ficar apenas com um mesmo. Como você disse, carro dá um gasto imenso.

    • sempresabado

      Obrigada Marcelo!
      Vcs poderiam tentar um arranjo alternativo para baratear custos como dar carona pra alguém da empresa ou da outra cidade. Funciona pra vcs? Um estagiário do meu antigo trabalho levava 3 amigos pra cidade vizinha onde estudava e pagava todo o custo dele!
      Tb vale refletir onde morar. Isso só foi possível pra mim pq decidimos nos mudar para um bairro mais central. Moramos mais apertado mas perto de tudo. Abs!

  • sempresabado

    Boa Muquirana! Realmente faz uma diferença incrível.
    Fico impressionada com as pessoas que não pensam em alternativas para o tormento diário que é o trânsito!
    E que bom que venceu o medo e o suor, rs. Nada como ser criativa nessa vida, né?

    • sempresabado

      Elsa esse treco de sair super cedo antes do trânsito me rendeu um rompimento de ligamentos q me atormenta até hj. Fui tão exausta pra academia q cai e rompi os ligamentos! Tudo por causa da minha falta de paciência com o trânsito!!!

  • MissDenarii

    Muito legal seu relato! Eu sempre tive carro, mas ia trabalhar de ônibus pq morava relativamente perto. Depois vim trabalhar em um lugar mais longe e comecei a ir de carro todo dia. Não nego que é mais confortável, mas o trânsito + gasolina + inconvenientes realmente não valem a pena. Agora me mudei e estou morando um pouco mais perto do trabalho e numa área com boas rotas para bicicleta, e já estou me preparando psicologicamente para abandonar o carro e ir de bike! Às vezes fico um pouco tensa com as notícias de atropelamentos, já que não tenho o hábito de andar de bike… Mas vai dar tudo certo!
    Aliás, parabéns pelo blog! Muito bom ver um blog FIRE de 2 mulheres, já que a blogosfera de finanças tende a ser bem machista (tem uns posts de alguns blogueiros/comentários que dá até arrepio de ler, de tão misóginos e arcaicos).

    • sempresabado

      Olá MD! Que bacana ver uma menina por aqui! Bem-vinda!! Acho que temos mais medo da violência do que os homens e isso nos paralisa muito. Antes de se jogar de uma vez tente ir 1x por semana de bike por um tempo pra ir ganhando confiança. No começo não tenha vergonha de usar a calçada até vc se sentir confortável, acho ok desde q sejamos respeitosos com os pedestres, pois o espaço é deles. Estou super apreensiva em levar meu filho (um bebê ainda) pra escolinha de bike, mas vejo varias crianças indo e voltando pelas ciclovias. Já estou treinando o percurso com o sr Muquirano e já identificamos pontos onde vou usar uma quadra de calçada, mas por um motivo nobre, ninguém respeita o sinal de pedestres que tem lá pra eu atravessar! Enfim, só pra falar q o medo vai estar sempre aí, cabe a nós ir vencendo. Abs!

  • Frugalidade Hacker

    Oi, Muquirana, adoro textos assim, que quebram o mito de que Bicicletas São Máquinas de Matar Gente. Aqui no meu trabalho, tem muita gente que mora a 3km da empresa mas, talvez sem pensar, por força do hábito, pega o carro ou ônibus pra ir trabalhar.

    Acho interessante que, mesmo de forma silenciosa, uma pessoa que vai de bike ao trabalho já é, em certo sentido, um “role model” pra muita gente. Quase todos aqui na empresa me chamam de “[o cara] da bike”, e aí sempre surgem conversas sobre tempo & dinheiro & saúde perdidos no trânsito. Tento plantar essa sementinha na cabeça deles, que bike não é nada do outro mundo, que os riscos não são tão grandes quanto parecem.

    Abraço

    • sempresabado

      Concordo FH! É muito bacana ser a pessoa da bike, e quando convertemos alguém da uma sensação boa de estar ajudando o mundo 🙂
      Parabéns por fazer parte dessa revolução silenciosa e mostrar que a bike também é um meio de transporte para o dia a dia!

  • kspov

    que legal o blog de vcs.
    esse negócio de viver sem carro pra mim é inimaginável!
    parabens pra quem consegue

    • sempresabado

      Obrigada pelo elogio kspov e por aparecer por aqui! Seu trajeto é longo? Às vezes vc pode tentar começar a usar a bike para pequenas tarefas no fds pra ir se acostumando como dar um pulo na padaria.
      Apaguei sem querer seu comentário no post da renda fixa. Com esse CDI baixo o q estou fazendo é ir atrás de mais rendimento como bancos médios que pagam mais. Para quem quer um pouco mais de risco na renda fixa tb tem debêntures de empresa que pagam cupom, é um jeito de ter renda passiva, mas aí não tem capital garantido do FGC, tem q estudar o risco das empresas não pagarem ou ir para as menos arriscadas. Bem vindo ao blog. Abs!

  • executivoinvestidor

    Muito bom especialmente para alguém que vive numa cidade como SP com trânsito caótico! Mas vou ser sincero que eu não teria coragem pelo medo até pq quando trabalhava em SP não tinha horário para sair então voltava quase sempre as 9-10pm! Já aqui não tenho essa desculpa porém com 6 meses de frio (sendo 3-4 com neve) ainda não pensei numa alternativa! Assim tanto eu como a Sra Executiva temos carro. Mas durante os meses de não-frio eu costumo ir de bike ao menos 3 vezes na semana (não digo calor pois aqui raramente passa dos 20 graus! Rsrsrs…).
    Abraço!

    Executivo Investidor
    http://www.executivoinvestidor.com

  • ABM

    Na maior parte do tempo, tive a sorte de morar perto dos meus locais de trabalho. Pode ir caminhando ou então uma viagem bem curta de ônibus. Durante quase 10 anos tivemos um carro velho, desses que não dá nem para fazer seguro. Ele ajudava muito com supermercado, sair a noite ou ir a algum local com transporte público ruim. A pior bobagem foi depois desse histórico todo, comprar um carro 0km… mesmo sendo popular. Vc se acostuma a não usar carro. Não dependemos dele no dia a dia. O resultado é que depois de 6 anos, o carro tem 15 mil km rodados. Dá raiva só de contar… cada um tem uma decisão equivocada para chamar de sua. A desgraça só não é completa, pois com a valorização cambial da moeda que o compramos frente ao real, vamos ter uma perda menor que o esperado na venda. Mas colocando tudo na ponta do lápis, foi um desperdício total.

    • sempresabado

      Olá ABM!!
      Não se culpe pelo carro. Vc vai acabar vendendo ele pelo equivalente da tabela fipe. Temos um etios q compramos 0k em 2014 por 33 mil e hj deve valer por aí tb! Ao contrário do q o hater aí embaixo falou o carro não eh necessidade, foi opção de vcs de algum conforto como nas compras do mercado. A sua IF pode ter pequenos luxos tb! Abs

  • Anônimo

    No final das contas você acabou recorrendo à um carro, não seja hipócrita, carro é uma necessidade e não uma opção.

    • sempresabado

      Olá hater! Fico feliz q temos um. Sinal q estamos incomodando os que seguem a manada sem questionar!
      Usei o carro por 4 meses qd não tive opção mas nos outros 2 anos e 8 meses sigo convicta na bike. Espero q vc consiga ter tb. Vale a pena. Abs

      • Anônimo

        Não sou hater, só estou dizendo que quando a coisa apertou você recorreu ao carro. Esperneiem o quanto quiserem, ninguém fica sem carro/ônibus/metrô só andando de bicicleta ou a pé.
        Ou vai falar também que faz as compras do supermercado de bicicleta e carrega tudo na cestinha ?

        • sempresabado

          Faço mercado de bike sim! Levamos parte da mochila e parte na garupa! Compro pouca coisa no mercado, mais os não perecíveis, então é tranquilo. O grosso da nossa alimentação compramos na feira mesmo toda semana dai da pra ir a pé com o carrinho de feira perto de casa. Eu não sou anti carros, só acho insuportável usar no dia a dia e vou até ao meu limite físico pra não usar. precisou eu ser pisoteada grávida pra isso, ou seja, dá pra contornar 99% das situações do dia a dia

  • Érika

    Muito bom! Meu sonho é não precisar de carro também, mas com 2 guris em idade escolar fica meio complicado. Moro em cidade média e viveria de ônibus ou aplicativo de boas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.