Investimentos,  Muquirana,  Reflexões

FAMÍLIA VENDE TUDO

Aproveitei que julho foi um mês mais tranquilo no trabalho para atualizar a minha planilha de patrimônio. Ao contrário de muitos blogueiros da finansfera, não faço fechamentos mensais e nem tenho o tracking do meu patrimônio no tempo. Admiro muito quem tem essa disciplina, mas prefiro atualizar a planilha só quando tem alguma movimentação relevante. A minha atualização foi motivada pelo meu momento de família vende tudo. Em julho eu vendi dois imóveis, um apartamento na Espanha que dava muita manutenção e vacância e o apartamento onde moro no Brasil. Por enquanto a família vai morar de aluguel.

Estou ficando com mais liquidez de propósito. Pode parecer meio louco já que todos os ativos estão bombando e os mercados estão em festa, mas como já escrevi aqui e aqui eu prefiro aproveitar a bonança pra ficar mais líquida. Ano que vem é o tão sonhado ano FIRE e quero ter paz de espírito para viajar e cash disponível para boas oportunidades que possam surgir nessas viagens. Além disso estou ficando cada vez mais pessimista com a economia mundial e acho que o preço de muita coisa está errado.

É provável que por um ou dois anos eu fique só olhando e fazendo alocações marginais enquanto as coisas sobem, mas algo que aprendi nas minhas leituras é que os investidores que têm mais capacidade de aguentar risco no longo prazo são aqueles que têm paciência. Li a biografia do Sam Zell este mês e achei excelente. Ele se define como um “oportunista profissional” investindo quando o cenário é de caos e vendendo quando o cenário é de bonança. Além disso, ele fala sobre a importância de se ter liquidez para aproveitar esse momentos de caos.

Quando comecei a comprar imóveis na Espanha em 2014 o cenário era exatamente esse. Dava vontade de comprar todos os imóveis que via na frente, o preço das coisas era incrivelmente barato e olhando para as perspectivas futuras era muito óbvio que eu tinha que comprar o máximo que aguentasse. Hoje os preços são outros e nada é uma compra óbvia. O Sam Zell falou que nessas horas não temos que ter vergonha em ficar de fora e sermos seletivos. Estou com essa cabeça agora.

Além de vender imóveis comecei a vender algumas ações nos EUA. Eu tenho pouco em ações, mas quero limar tudo que não é ETF de S&P ou as ações da Berkshire Hathaway, a empresa do Buffett. Tenho posições em Facebook, Ali Baba e Markel que estou me desfazendo no limite da isenção do imposto de renda. Eu já tinha um dinheiro parado na conta corrente da Interactive Brokers e agora vai aumentar. Alguém sabe se dá pra investir esse dinheiro da conta corrente em algum money market fund ou CD na Interactive Brokers?

Ano que vem quero fazer a última venda para completar o família vende tudo. Quando os juros aqui estiverem bem baixos, vou vender um terreno com 4 casas de aluguel para alguém que estiver procurando uma renda mensal. Hoje esse terreno tem um rendimento de uns 7.8% (vejam aqui o relato sobre a tragédia que foi essa empreitada), mas espero vender com um rendimento um pouco abaixo de 6%, embolsando o ganho de capital.

Moral da história

Para saber quando você deve vender algo, escutei uma boa definição do Sam Zell: “você compraria esse ativo nesse preço pelo qual está vendendo? Se a resposta for não então é hora de vender”. Isso dá um tom pessoal ao seu preço de venda, o que me aliviou e guiou nesse momento de família vende tudo.

P.S. Para quem tiver curiosidade, segue o breakdown de patrimônio que fiz pela 1ª vez.

9 Comentários

  • Vagabundo

    Vc está certíssima. Compre ao som de canhoes, venda ao som de violinos, nao sei quem falou. Eu tambem vou vender meu apê assim que começar a euforia imobiliária outra vez. E quando tudo for pro vinagre compro outro. Nessa onda outro dia vi um video do carteira rica onde ele divagava sobre comprar um imovel na Venezuela. Ja pensou ? Tudo bem que ta super barato, tem imoveis muito bons na beira de praias lindas, o povo ta desesperado, mas aí é risco demais pra minha cabeça. Sobrou algo na espanha ainda ?

    • sempresabado

      Oi Vagabundo, obrigada pela força rsrs. Já olhei sim sobre a compra de imóvel na Venezuela. Tinha pensado em algo como uma casa beira mar nas ilhas margaritas, seria bem fácil pra alugar. Dai procurei um cara local amigo de amigo de amigo que falou que está inviável investir em imóveis agora por causa das invasões. Fora de caracas as milícias armadas invadiram muita coisa desocupada e algo de um estrangeiro seria alvo fácil, os custos pra levar dinheiro tb são altos. Imóveis em caracas acho que seria melhor mas acho que precisa mudar o governo pra cair o risco de expropriação. Cheguei à conclusão que o melhor a fazer era comprar títulos soberanos ou da PDVSA pela Interactive Brokers mas aí veio o bendito embargo americano e nenhuma entidade financeira pode tocar em ativos venezuelanos. Acho que poderia tentar depois que o Maduro cair ou se tivesse uma conta numa corretora europeia. De qq forma, acho q tem que ficar de olho! Inclusive, por causa das eleições lá têm títulos da Argentina pagando 13% em USD se vc tem conta numa corretora gringa.
      Na Espanha ainda tem uma ou outra coisa boa, principalmente em terrenos e no comercial que são áreas mais arriscadas. Vou deixar pra época FIRE pra olhar isso com calma. O residencial que é mais óbvio já subiu bem, mas aceitando retornos mais baixos (5%) ainda da pra comprar. Um abraço!

      • Vagabundo

        Aqui o video: https://www.youtube.com/watch?v=7CMGNTmXMYU

        Tambem concordo contigo que o risco é mais pelo lado politico/social – invasao ou o Maduro desapropriar pra dar pro povo lá morar. Mas vc tem apetite pra risco hein ! Titulos da Venezuela é bravo !

        Minha pergunta sobre a Espanha era se vc ainda tem imovel lá, pois tive a impressao que vc aproveitou as rebajas de 2014 e levou vários. Happy FIRE !

  • sempresabado

    Obrigada! Vou assistir. O risco a gente ajusta no tamanho da posição 🙂
    Eu comprei 4 imóveis nas rebajas! Agora tenho 3 que pretendo manter, só vendi um pq era muito problemático. Na época tb comprei outros 5 pra amigos e familiares que me contrataram pra ajudar na compra. No total foram 9 compras. Aprendi e me diverti muito

  • ABM

    Eu admiro o fato de vc conseguir encaminhar isso tudo. Eu vou ficar como estou no momento. Sem grandes movimentos. Já tinha desistido de investir em imóveis para manter uma maior liquidez. Estou desconfiando do nosso discernimento nesta reta final com tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo. Deixa a poeira baixar para a gente ter mais tranquilidade para tomar decisões com grande impacto.

    • sempresabado

      Acho que faz bem em ficar quieta, essas decisões de $ funcionam melhor quando estamos focados. A burocracia de vender os aptos até q foi menor do q eu esperava. Tive sorte de ter bons corretores q ajudaram, principalmente na Espanha. Uso a mesma corretora desde 2014 e tenho confiança nela. O que foi mais cansativo nisso tudo foi procurar um apto pra alugar, mas graças a Deus foi resolvido. Boa sorte na sua reta final, espero q de tudo certo!!
      Um abraço

  • kspov

    Vc gosta de imoveis físicos hein!!!

    Não gosta dos FIIs?

    Estou vendendo um terreno tb. Que parto é vender um imóvel!!!

    • sempresabado

      Oi Kspov, boa sorte com a venda. Haja paciência rsrs.
      Eu acho imóveis mto divertidos, então sempre q aparece um num preço bom não resisto.
      Eu gosto de FIIs pela conveniência mas acho os incentivos desalinhados. Se vc abre os DREs vê que as linhas de remuneração e “outros” são mt desproporcionais. Como a maioria não tem tx de performance o administrador tem incentivo à por um monte de prédio pra dentro e ganhar mais taxa de Adm. Fora que eles vivem emitindo cotas, diluindo o cotista. Então acho q consigo fazer melhor eu mesma (dado q gosto). Meu terreno com as 4 casas rende 7,8%. Foi um desastre, era pra ser 10%, mas mesmo dando tudo errado é melhor q muito FII. Enfim, é questão de preferência mesmo. Tem gente q odeia o perrengue e a iliquidez.
      Um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.