Gastos,  Muquirana,  Reflexões

OS RICOS TAMBÉM CHORAM

Photo by Tom Pumford on Unsplash

Nos últimos dias tivemos dois exemplos muito interessantes mostrando que os ricos também se sentem presos na corrida dos ratos. Se a vida está ruim para você, ela também não está fácil para a Luana Piovani e para o Leonardo Azeredo dos Santos, o procurador do “miserê”.

Li uma entrevista da Luana Piovani em que ela se dizia muito feliz e aliviada por estar vivendo em Portugal com os filhos, pois tem um custo de vida bem mais baixo do que o anterior no Rio. Ela se diz “aposentada” em terras lusitanas, pois poderia viver com a renda dos seus investimentos sem trabalhar. E finalmente, como uma autêntica FIRE, diz que no Brasil precisava pensar em trabalho o tempo inteiro para manter seu padrão de vida e que isso não lhe parecia saudável.

O procurador de Minas Gerais reclamou que teria que viver com seu salário líquido de 24 mil reais, ao invés dos 68 mil mensais que já chegou a receber. Como essas duas pessoas que levam facilmente mais de meio milhão por ano para casa podem estar apertadas de dinheiro?! O AA40 já escreveu bastante sobre isso (aqui e aqui), é o chamado lifestyle inflation, ou inflação no custo de vida. A pessoa vai inflando seus gastos à medida que seus rendimentos aumentam.Fui procurar mais sobre a mudança da Luana Piovani para Portugal e descobri o seguinte:

-No Brasil ela tinha 9 (!) funcionários e em Portugal só tem 2. Supondo que cada um ganhava 1800 por mês, contando o E-social, essa conta seria de incríveis 21 mil por mês com babás, empregadas, cozinheira, etc.

-Os filhos estudam em escola pública por lá e essa conta custava 11 mil por mês no Brasil.

-O aluguel da casa em Cascais é mais barato do que o aluguel que pagava no Rio.

Só de funcionários e escola os gastos já são 32 mil por mês. Com aluguel, plano de saúde, alimentação e lazer, essa conta chega fácil a 50 mil mensais. Um gasto respeitável…

Já o procurador de Minas disse no seu desabafo que gasta 4500 reais por mês de condomínio e IPTU e que no seu aperto fiscal baixou o gasto no cartão de crédito de 20 para 8 mil reais por mês. Supondo que ele paga escola particular e plano de saúde para seu filho, é outro que deve gastar facilmente 40 mil reais por mês.

Os dois exemplos mostram pessoas que ganham muito dinheiro, mas ainda se sentem pressionadas e atoladas por contas e boletos. Achei muito interessante que na nova vida frugal a Luana se diz muito mais feliz com um padrão de vida mais baixo e fazendo coisas triviais como ir a um bar na praça, se sentar no meio fio e sair sem ser notada. A cereja do bolo é “um alivio enorme por não ter mais que se preocupar com dinheiro o tempo todo”.

Eu vejo que muita gente descobre esses pequenos prazeres e se propõe a viver uma vida mais racional financeiramente apenas quando sai do Brasil. Por que ela consegue viver “só” com 2 funcionários em Portugal e no Brasil precisava de 9? Acho que muita coisa tem a ver com manter as aparências. No meio dos globais todo mundo deve ter um exercito de mordomos igual às novelas e deve pegar meio mal você ter aquela faxineira que vem uma vez na semana.

Se o seu meio é cheio de gente que gasta muito e tem um padrão de vida alto, você tem grande chances de ser arrastado junto. Até entendo que sair do país neste caso é um jeito de apertar o botão de reset dos seus relacionamentos para novos que refletem seu momento de vida atual. Achei bom que a Luana se libertou da corrida dos ratos e está se sentindo mais feliz numa vida mais simples. Espero que o procurador do miserê siga o exemplo dela e veja que as coisas nao são tão ruins quanto ele acha que são.

27 Comentários

  • Elsa

    Que legal essa nova fase da Luana Piovani. Já vi que ela é super criticada porque fala o que pensa, sem muito filtro. Então esse relato dela deve ser sincero mesmo, e não a tentativa de vender um sonho.
    Eu também estava doida pra comentar aqui sobre o procurados de Minas. Imagino que pra comunidade FIRE as declarações dele são ainda mais patéticas. A pessoa perde o sono mas não para pra organizar a vida, incrível!
    Por fim, concordo super com a ajuda de ter uma distância a respeito de certas pessoas. O duro é quando apesar de gastonas elas ainda contribuem pra sua saúde emocional e são bons amigos. Ainda não sei como resolver essa questão! Viver fora por enquanto não é uma opção, rs.
    Abs

    • sempresabado

      Elsa, vamos doutrinando os amigos gastoes aos poucos, sempre com um jeitinho de nao deixar eles escolherem restaurantes caros ou de marcar programas alternativos como “uma passadinha pra bater papo” ao inves do happy hour. Com os mais intimos eu já sou mais direta e digo “pessoal, esse mês já bati a cota do lazer entao vamos fazer algo barato”. Acho que reduzir o convivio por causa da meta FIRE nao vale a pena. bjs

    • sempresabado

      oi EI! Quem bom que gostou do post. Você é a prova viva de que é possível ganhar super bem e nao inflacionar a vida, o resultado desse esforço é a aposentadoria precoce e a liberdade! Fico pensando na Piovani que tem ganhos mais incertos e já dava a largada no ano tendo que arrumar uns 500k só pra pagar os boletos do mês. tá doido, eu nao ia aguentar. Abs!

  • ABM

    Eu acho que as pessoas sucumbem ao efeito manada relacionado a consumo e estilo de vida sem se dar conta. Aliado a isso, tem as questões culturais, bem comuns a países com mão de obra barata, de depender excessivamente de apoio para atividades domésticas. De vez em quando aparece na mídia o relato de celebridades afirmando que se viram nos 30 quando estão em suas casas na Europa e nos EUA, mas no Brasil mantém um pequeno exército de funcionários domésticos. Uma amiga minha no EUA contou que recebeu um intercambista adolescente de um país da américa latina em sua casa. Um dia quando ela estava no trabalho, ele ligou dizendo que a toalha dele estava molhada e nao tinha com que se enxugar. A resposta dela, procure qualquer coisa que absorva água e se vire por aí. Ela me disse que teve que explicar o óbvio, cada um cuida das suas coisas e isso inclui lavar e guardar suas roupas. Eu parei de comentar detalhes práticos da minha vida doméstica com amigos e até familiares por serem pouco convencionais. As pessoas agem como se não tivesse alternativa para nada. Acho bem estranho se matar de trabalhar para pagar por “qualidade de vida”.

    • sempresabado

      Que historia louca ABM. Imagino a cara da sua amiga no trabalho recebendo esse tipo de ligaçao. Esse reality check na experiencia de intercambio para quem teve um exercito de funcionários à disposiçao é sempre válida.
      Li em uma outra entrevista que a Luana Piovani se mostrava muito “entretida” em Portugal ao fazer tarefas domesticas triviais como levar filhos ao banheiro, dar banho e até catar piolhos! Achei interessante ela relatar os fatos como se fossem uma grande aventura, o que de fato deve ser, porque alguem com 9 funcionários nao devia ter que se preocupar com essas coisas rotineiras e está descobrindo isso agora. Enfim, antes tarde do que nunca.

  • Wat

    Dois artigos que sempre relembro nas aflições do cotidiano é:

    “Uma vida tranquila e modesta atrai mais alegria que a busca do sucesso ligada a tensões constantes”. (Einstein; Albert)

    Na outra nota escreveu:
    “onde há vontade, há um caminho”.

    + as receitas atuais (Forbes)

    Escolha ser feliz com o que você fizer.
    Mantenha por perto pessoas de quem você gosta.
    Cuide-se: preste atenção na sua saúde física, mental, financeira e emocional.

    • sempresabado

      Ótimas citações Wat. As vezes as pessoas perdem a tranquilidade indo atrás de bens materiais e esquecem que luxo mesmo é ter tempo e paz de espírito.

  • Viver Sem Pressa

    Bem legal esse post, também concordo com você quando diz que “Acho que muita coisa tem a ver com manter as aparências.” É aquela velha história dos ricos que não querem andar de transporte público aqui no Brasil, mas acham chique andar de metrô em Nova York ou Paris. Não querem trabalhar em determinados tipos de trabalho aqui no Brasil para tentar pagar uma dívida, mas fazem isso indo para outros países como Japão, realizando trabalho muitas vezes insalubres. Acho que brasileiro vive muito de aparência mesmo. Beijos. Yuka.

    • sempresabado

      Oi Yuka, 100% de acordo. Acho as vezes que as pessoas têm que resolver o problema de auto estima antes de resolver o do dinheiro. Me lembrou seu podcast quando falam da sua bolsa de levar a marmita rssss. O pessoal pseudo-rico fica nessa neura da aparência, o rico de verdade tem até medo de ostentar! Bjs

  • AA40

    Olá. Tinha deixando um comentário mas acho que não salvou.
    Fantástico o post. Retrata bem nossa sociedade e como os hábitos de consumo se tornam padrão dos quais é muito difícil sair. Mais uma vez retrata a importância de manter seu consumo recorrente sob controle.
    Semana que vem publicarei um post relacionado e vou “linkar” seu excelente post. Abcs

    • sempresabado

      Oi AA40! Eu to devendo o link pros seus 2 posts de lifestyle inflation, acabei tarde a postagem e aqui no celular é mt ruim.
      Voltando ao comentário, acredito muito no que falei pra Yuka, tem gente que precisa resolver o problema da auto-estima pra depois resolver o do dinheiro. Não consigo entender quem tá quebrado gastando com ostentação. Pior ainda é quando essa ostentação é no consumo recorrente, aí é o beijo da morte! Abs

  • Leo

    Olá! Parabéns pelo blog. Ótimo conteúdo. Graças à iniciativa de AA40, também criei o meu. Vou colocar o link do seu no meu blog. A luta continua! Abraço!

    • sempresabado

      Olá Leo, obrigada pelo comentário e boa sorte na sua jornada! Achei muito legal seu blog. Siga postando! abs

  • kspov

    Excelente Post para boas reflexões

    Luana piovani era minha musa na adolescência.

    Mas tá louco manter um padrão de vida desses.

    Vejo muito infelicidade na vida desses artistas. Um mundo rodeado por Ego e ostentação.

    Realmente uma vida frugal nos trás paz e tranquilidade.

    Só não dá pra viver na miséria. Nem 8 nem 80

    • sempresabado

      Oi Kspov, acho que uma vida assim deve ser muito agoniante. Imagina vc acordar dia 1o de janeiro sabendo que vc tem que fazer brotar 500 mil so pra pagar as contas. Tá doido! Os artistas tem que estar sempre parecendo ricos e felizes e isso deve cansar depois de um tempo.
      Li muito sobre ego no começo do ano e cultiva-lo é a chave pra infelicidade mesmo!
      Abs

  • Vagabundo

    A Luana prova o que eu sempre digo: morar na Europa é mais barato que no Brasil se vc vive como eles, baixando o padrão de vida. Muita gente reclama que o Brasil é muito caro, sem ver que estao indo junto com a manada e comprando aquele SUV último modelo. E a vida desses artistas como o kspov falou deve ser complicada, cheia de amigos futeis e interesseiros. Deve ser dificil distinguir o joio do trigo. Pode reparar que eles só se relacionam entre eles, ou com empresarios, ou seja, gente da propria classe social – ricos.

    • sempresabado

      Oi Vagabundo é isso mesmo. Acho que lá saímos da bolha consumista. Ao contrário dos EUA acho que os europeus gastam menos com bobagem e “vivem” mais. Eu tenho um grande dilema com esse padrão mais barato europeu, pcp nos 2 gastos principais de saúde e educação. A cidade que eu gosto tem aulas na escola pública na língua local ao invés do idioma do país. Dureza pro meu filho já que não queremos passar a vida lá, entao acho q vou acabar escolhendo uma escola privada internacional. Sobre a saúde, acho que preferiria ter uma cobertura no Brasil também. Se me acontecesse algo sério eu ia acabar querendo me tratar perto da família aqui, e pra isso ia ter que pagar um seguro privado. Acho que no resto da pra enxugar bem. Principalmente em moradia e transporte. Como vcs fizeram com saúde e educação? Abs

  • Chibata Sideral

    O texto tava até bom, mas simplesmente terminou sem uma explicação convincente, passando pano pra esses dois patifes. A minha vontade é surrar a Luana e esse procurador com 80 chibatas. Tem gente no Brasil vivendo com menos de 1 salário mínimo e esses dois reclamando da vida.

    • sempresabado

      Oi Chibata, concordo com vc que a conclusão ficou meio X mesmo. Eu ia acabar com uma opinião pessoal sobre o tema mas desisti e acabei meio abruptamente. A Luana parece ser uma pessoa bem determinada com opiniões fortes e Deus me livre de ofender um procurador. Como não quero problemas com ninguém preferi só relatar os fatos. Obrigada pela opinião sincera. Abs

  • Izabel S I Drumond

    Maravilhosa reflexão. Mais ou menos um ano atrás vi no instagram uma família um tanto tradicional de São Paulo muito rica que se mudou para uma de suas casas nos EUA, eles alegaram que não dava mais para viver no Brasil e blablabla, ai fui acompanhar pelo instagram e eles vivem lá como uma família classe média normal de lá e não mais a vida nababesca que viviam aqui, ai ficavam falando o quão caro era viver aqui no BR, para ter idéia, cada criança da família tinha uma babá aqui no BR, imagine quantos mais funcionários eles não tinham?!!!!!
    Estou gostando muito do blog.

    • sempresabado

      Olá Izabel, bem vinda ao blog! Adoramos quando temos amigas novas!
      Será que essa família tradicional foi para os EUA aposentada ou estavam trabalhando por lá também? Até entendo alguém precisar da ajuda de uma (nao de várias!) babás caso a família trabalhe o tempo todo fora de casa, mas é muito louco a familia ter um conjuge que nao trabalha no Brasil e que tinha uma babá para cada filho que de uma hora pra outra resolve abraçar a vida sem ajuda nos EUA! Muitas vezes as pessoas acabam tendo um padrao de vida alto no Brasil por causa do meio em que vive, mas a verdade é que nao precisamos desse aparato todo para sermos felizes!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.