Elsa,  Muquirana,  Renda Fixa

Será que os juros vao ficar para sempre em 6,5% – Parte 3

Link para a Parte 1

Link para a Parte 2

PA resposta é: pouco provável.

A resposta para essa pergunta de um milhão de dólares depende de onde vão parar os juros neutros no Brasil (se você veio direto pra cá mas não sabe o que é juro neutro, dê uma olhada na Parte 1). O Banco Central tem uns 30 PhDs lá tentando responder essa pergunta do juro neutro de um jeito elegante, mas existem algumas formas de chegar a uma estimativa com contas de padeiro como faremos aqui.

Olhe para o passado

A primeira, mais básica, é olhar o passado dos juros. O que fica óbvio ao analisar o gráfico abaixo que mostra que a Selic vem caindo ao longo dos anos.

A Selic vem caindo ao longo dos anos

Existem diversas explicações para isso, que vão desde à melhora das instituições brasileiras (sim, evoluímos a passos de tartaruga, mas evoluímos) até a queda de juros no mundo como um todo. A principal explicação é que a inflação também recuou nesse período. O Brasil passou por um período de hiperinflação na década de 90 e desde então tem conseguido ter taxas de inflação cada vez menores.

Olhando a média do período (20 anos), a taxa de juros real ficou ao redor de 7%. Já nos últimos 10 anos, ela esteve ao redor de 5%, conforme as instituições foram melhorando e o governo brasileiro se tornou um pagador menos duvidoso. Nos últimos 3 anos, como comentei acima, a taxa de juros real está ao redor de 3%, dado o objetivo do Banco Central de tentar estimular a economia.

O juro real no Brasil (Selic menos inflação) também vem caindo ao longo dos anos

Se a reforma da previdência não for aprovada podemos imaginar que os juros reais voltem para a faixa de 5% a 7%. Vamos pegar o meio do caminho em 6%. A meta de inflação para os próximos anos deve ficar perto de 4%, então somando os dois a SELIC teria que ir até 10%.

Agora se a reforma for aprovada, podemos chutar que o juro real fique entre 3% e 5%. Pegando o meio em 4, e somando com a inflação de 4%, a SELIC teria que ficar mais próxima de 8,0%, acima dos 6,5% atuais.

Olhar o passado nem sempre é uma boa, e como falamos, a análise acima é bem simplista. Mas ver que uma Selic de 8% é bem aceitável mesmo com a reforma da previdência mostra o quanto o Banco Central está tentando estimular a economia com os juros atuais.

Olhe para o exterior

Outro jeito de ter uma ideia do juro neutro no Brasil é olhar para o que outros países estão pagando. Cá entre nós, se a Selic fosse 3% ao ano e os Fed Fund (a Selic americana) também fosse 3%, você ia preferir ter seu dinheiro em dólares ou em reais? Muita gente ia preferir em dólares pois teria moeda forte e não teria sustos com a variação do câmbio.

Ou seja, para que o Brasil atraia dinheiro para cá temos que pagar um prêmio em relação aos juros americanos, que são os juros base do mundo. Esse prêmio pode ser maior em épocas de incerteza, como nas eleições, ou menor em épocas em que o PIB está crescendo e todos querem investir no Brasil. Esse prêmio é medido por um instrumento chamado CDS (crédit default swap) e é como se fosse a nota de crédito do Brasil. Ele custou em média 3% ao ano nos últimos anos mas já chegou a 5% em tempos tensos.

Prêmio de risco do Brasil ao longo do tempo

Se a reforma da previdência não for aprovada, é bem provável que o CDS volte para níveis próximos de 5% ao ano, o que significaria uma necessidade de prêmio de risco de 5%. Para saber quanto isso dá de Selic somamos os juros neutros americanos (estimados em 0,5% hoje) e mais a inflação esperada para o Brasil, uns 4%. Isso daria uma Selic perto de 9,5%.

Não tão diferente quanto ao nosso exercício simplista anterior…

Agora se a reforma for aprovada, podemos imaginar que o prêmio de risco vai ficar abaixo da média dos últimos 10 anos. Hoje ele está ao redor de 2% ao ano. Esse parece um valor razoável, dado que a maioria dos analistas do mercado espera que a reforma seja aprovada. Sendo assim, somando os juros neutros dos EUA de 0,5%, ao prêmio de risco teríamos um juro real neutro no Brasil de 2,5%. Finalizando com a expectativa de inflação de 4% nos próximos anos, teríamos uma Selic ao redor de 6,5%, exatamente onde está, e abaixo da nossa estimativa simplista.

Em resumo, se a reforma da previdência for aprovada, a SELIC pode ficar entre 6,5% e 8,0%. Mas caso não seja, o governo vai se tornar um pagador ainda mais duvidoso, o que deve levar a SELIC para o patamar entre 9,5% e 10%.

Um último parêntese sobre juro neutro e o fim das mamatas

Outra coisa que vem mudando ao longo dos anos e que contribuiu para a queda dos juros neutros é o fim das mamatas na economia. Sabia que o BNDES emprestou dinheiro a 3% ao ano para grandes empresas, as famosas campeãs nacionais? Essa taxa de 3% é menos do que a inflação! Se uma empresa amiga do governo pagou 3% alguém teve que pagar a diferença dos 3% aos 12% que era a Selic na época, e esse alguém foi você!

Como o Tesouro Nacional cobriu essas diferenças, todos nós pagadores de impostos tivemos que contribuir para a farra de quem tomava dinheiro no BNDES. Isso significa mais pressão no orçamento do governo, mais pressão na inflação e uma Selic mais alta para equilibrar isso tudo. Para alguns poucos privilegiados terem dinheiro barato o resto do país ia arcando com uma Selic cada vez mais alta. Desde 2016 os empréstimos do BNDES se tornaram mais próximos às taxas de mercado para grandes empresas diminuindo essa distorção.

Vale lembrar que isso é o nosso pitaco e não uma recomendação de investimento ou muito menos uma previsão do futuro. E você, acha que a Selic fica em 6,5% por mais tempo ou não??

Link para a Parte 1

Link para a Parte 2

10 Comentários

  • AA40

    Olhe, meus parabéns pela clareza com que conseguiu escrever sobre o tema nestes 3 posts. Poucos fariam melhor ! A parte que compara com FED é a mais pura verdade! Abcs e ótimo trabalho

  • ABM

    Parabéns meninas, a serie ficou muito legal! Uma boa referência de texto didático para indicar às pessoas que querem entender como funciona os juros no Brasil.

  • Wat

    Parabéns e obrigado pela trilogia , analítica muito bem feita para refletir. Para mim, o Brasil estagnado, terá uma reforma suficiente para pressionar o bc a abaixar mais os juros até aparecer amanhã ou dali 1ano alguma nova “marola”, nova guerra comercial dos EUA ou elevação de juros do Fed para conter inflação.

    • sempresabado

      Obrigada pelo comentário Wat! Sim, é bem provavel que o BC ainda abaixe os juros mais um pouco com a reforma, mas como um bom mercado emergente o Brasil sempre tem alguma surpresa pelo caminho.

    • sempresabado

      Olá Vagabundo, bem-vindo ao blog! Tomara que essa reforma saia logo viu, todo ano tem um evento no Brasil que é tudo ou nada.. O presidente do BC anda jurando de pé junto que antes da reforma passar ele nao quer cortar juros, mas sabe como é, eles sempre falam A até decidirem que querem mesmo é B. vai saber.. abs!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.